Swim Channel http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br Natação Tue, 17 Oct 2017 17:41:31 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Circuito de Natação Universitária: oportunidade para estudantes http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/17/circuito-de-natacao-universitaria-oportunidade-para-estudantes/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/17/circuito-de-natacao-universitaria-oportunidade-para-estudantes/#respond Tue, 17 Oct 2017 17:41:31 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7040 O universo dos esportes universitários é gigantesco. Nos Estados Unidos as competições costumam mobilizar cidades e atrair a atenção de milhões de pessoas entre alunos, atletas e público. A realidade brasileira é muito diferente, mas já existe movimentação para acordar esse gigante adormecido. Idealizado pelos técnicos de natação universitária Guilherme Giorgi (das equipes Poli USP e Fundação Getúlio Vargas) e Rogério Mixirica Nocentini (da equipe Medicina Santo Amaro) nasceu um campeonato para estimular a natação universitária brasileira.

Os dois lançaram o Circuito de Natação Universitária que terá sua primeira edição no próximo dia 12 de novembro no Parque Aquático Carlos Biazotto, na cidade de São Caetano do Sul. O evento terá 16 provas, sendo oito masculinas e oito femininas. Teremos as seguintes distâncias sendo disputadas 50m borboleta, 50m costas, 50m peito, 50m livre, 100m medley, 100m livre, revezamento 4x50m livre e revezamento 4x50m medley. Com apoio da Clínica Move e V Swim, o CNU terá ainda arbitragem e sistema de cronometragem feito pela Federação Aquática Paulista sendo disputado em apenas um dia com todas as provas em sequência.

As provas acontecerão no Parque Aquático Carlos Biazotto – Foto: Reprodução

Segundo Mixirica o fato de fomentar a natação universitária e criar uma cultura esportiva dentro das universidades e faculdades foram os principais motivos para lançar esta competição. Contando com boa infraestrutura física, piscina em ótimas condições e arbitragem oficial os idealizadores acreditam que essa fórmula organizada será benéfica para criar essa cultura entre atletas universitários e fazer sair do papel a ideia de lançar a partir do ano que vem um calendário com várias etapas para a categoria.

Não há limites de participação e um ou uma atleta poderão nadar até seis provas individuais e mais os dois revezamentos. Cada queda n´água terá o valor de R$ 20 (mais a taxa de conveniência de inscrição de 10%), um preço acessível para os alunos. As atléticas que quiserem inscrever mais de um revezamento também terão desconto na segunda equipe. Os interessados podem fazer sua inscrição através da SWIM CHANNEL neste endereço.

Por Guilherme Freitas

]]>
0
Poliana Okimoto em Curitiba: imperdível para os amantes da natação http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/17/poliana-okimoto-em-curitiba-imperdivel-para-os-amantes-da-natacao/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/17/poliana-okimoto-em-curitiba-imperdivel-para-os-amantes-da-natacao/#respond Tue, 17 Oct 2017 15:28:55 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7035 Para quem gosta de natação, seja em nível amador ou profissional, e mora em Curitiba, não pode perder os eventos que acontecerão no próximo final de semana envolvendo a medalhista olímpica Poliana Okimoto.

Na sexta-feira, dia 20 de outubro, a única mulher brasileira a subir no pódio olímpico nos esportes aquáticos, feito alcançado na Olimpíada de 2016 na maratona aquática, estará na Livraria da Vila, no Shopping Pátio Batel, a partir das 19h. Ela estará autografando sua biografia, lançada este ano, escrita por Daniel Takata e Helio de la Peña, e que conta sua trajetória desde o início no esporte, passando pelas dificuldades, superações, conquistas e, claro, a histórica medalha de bronze olímpica.

Capa do livro “Poliana Okimoto” (foto: reprodução/Editora Contexto)

No sábado, dia 21, ela ministrará uma clínica de natação em parceria com a Academia Gustavo Borges. A partir das 8h, haverá credenciamento e café da manhã no Cinépolis, do shopping Pátio Batel, e uma palestra da nadadora. Na parte da tarde, às 13h30, a parte prática, na Academia Gustavo Borges unidade Barigui.

As inscrições estão abertas através do telefone (41) 3339-9600. O kit de inscrição inclui um livro autografado por Poliana.

Por isso, é uma oportunidade imperdível para todos: para quem quiser conhecer a história de Poliana em sua biografia, ter um autógrafo, tirar uma foto e trocar algumas palavras com a maior nadadora do Brasil na noite de autógrafos na sexta-feira; e para quem quer aprender dentro d’água um pouco do que ela fez para chegar ao pódio olímpico em contato direto com a própria nadadora na clínica no sábado.

]]>
0
Brasil domina a etapa de Chun’An da Copa do Mundo http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/brasil-domina-a-etapa-de-chunan-da-copa-do-mundo/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/brasil-domina-a-etapa-de-chunan-da-copa-do-mundo/#respond Mon, 16 Oct 2017 17:35:19 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7037 O Brasil segue dando show nas águas abertas. Depois da ótima campanha no Campeonato Mundial de Budapeste e das medalhas conquistadas ao longo da Copa do Mundo da Fina, os brasileiros fizeram neste fim de semana a melhor campanha em uma única etapa na temporada 2017. Em Chun’An, na China, sexta perna do circuito, o Brasil dominou e voltou para casa com quatro das seis medalhas possíveis: um ouro, uma prata e dois bronzes. Foi também a melhor performance nacional em toda a história da competição.

A medalha de ouro veio na prova feminina com Ana Marcela Cunha, a maior vencedora da história da Copa do Mundo da Fina. Vivendo grande fase, a nadadora conquistou seu 18º triunfo na competição de forma apertada contra a italiana Arianna Bridi, atual líder do circuito. As duas chegaram praticamente juntas, mas a brasileira foi mais rápida na hora de tocar o pórtico e venceu na batida de mão. Viviane Jungblut novamente foi ao pódio e faturou a medalha de bronze.

A seleção brasileira na China – Foto: Reprodução

No masculino tivemos mais duas medalhas para o Brasil. Allan do Carmo por muito pouco não conquistou a vitória em águas chinesas. Ele chegou junto com o húngaro Krisztov Rasovsky e a decisão só saiu no photo finisher. Após checar o vídeo diversas vezes, a arbitragem declarou o húngaro como campeão e o brasileiro ficou com a medalha de prata. Em terceiro lugar chegou Fernando Ponte que bateu por dois segundos Ferry Weertman, nada mais, nada menos, do que o atual campeão olímpico e mundial. Diogo Villarinho também nadou a etapa e ficou em 20º lugar.

Resta apenas mais uma etapa para o fim da temporada 2017 da Copa do Mundo, que acontece no próximo sábado, dia 21 de outubro, em Hong Kong. No ranking feminino a italiana Arianna Bridi lidera com boa vantagem para Ana Marcela e Rachelle Bruni. Já no masculino o também italiano Simone Ruffini ultrapassou o compatriota Federico Vanelli e assumiu a liderança. Allan do Carmo esta empatado em terceiro lugar com Rasovsky, uma disputa que terá sua definição em Hong Kong. Confira os resultados completos aqui.

Por Guilherme Freitas

]]>
0
Brasil, tetracampeão do Desafio Raia Rápida http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/15/brasil-tetracampeao-do-desafio-raia-rapida/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/15/brasil-tetracampeao-do-desafio-raia-rapida/#respond Sun, 15 Oct 2017 20:27:15 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7028 Não podemos dizer que a vitória brasileira na sexta edição do Desafio Raia Rápida tenha sido uma surpresa. Afinal, no papel era indiscutivelmente a equipe mais forte, com três medalhistas no último Mundial de Budapeste. Mas a vitória no revezamento foi difícil, ao contrário do que os resultados das provas individuais indicavam, e sobrou emoção na disputa.

O clima no Parque Aquático Maria Lenk nesta manhã de domingo foi chuvoso por quase todo o tempo. Mas não diminuiu a animação da torcida, que incentivou por todo o tempo os brasileiros contra as equipes dos Estados Unidos, Itália e Argentina. Confira abaixo um resumo das provas.

50m costas feminino
A campeã mundial Etiene Medeiros não teve dificuldades para vencer as três baterias. Na última, derrotou a americana Hellen Moffit, com 28s00 contra 28s74. Seu técnico Fernando Vanzella achou o tempo excelente para a fase de treinamentos, destacando que seria muito difícil ela nadar na casa dos 28s, e por um centésimo ela não conseguiu fazê-lo. Sua melhor saída foi obtida na primeira bateria, quando estava descansada, de acordo com análise biomecânica da Meazure Sport Sciences (primeiros 15m com tempo de 6s99, contra 7s01 da bateria final).

Etiene Medeiros (foto: Satiro Sodré/SSPress)

50m peito masculino
João Gomes Júnior, vice-campeão mundial da prova, exibiu a mesma hegemonia de Etiene, vencendo as três baterias. Na última, o esperado duelo contra o italiano Fabio Scozzoli, vice-campeão mundial da prova em 2011. O brasileiro levou com 27s25 contra 27s68 do adversário. João queria nadar abaixo de 27s e quebrar o recorde da competição que é dele de 27s09, e disse que poderia fazê-lo na primeira bateria, quando estava descansado. Mas preferiu se poupar para chegar inteiro às próximas séries e principalmente ao revezamento, o que se revelou na estratégia correta.

João Gomes Júnior (foto: Satiro Sodré/SSPress)

50m borboleta feminino
Daynara de Paula chegou à final contra a americana Kendyl Stewart, vice-campeã no Pan-Pacífico de 2014. Stewart venceu com 26s28 contra 26s76 da brasileira. Mas Daynara não tem do que reclamar: seu tempo na segunda bateria de 26s44 foi sua melhor marca no ano, e mostrou muita força na saída de prova, levando clara vantagem nessa parte da prova sobre as adversárias. Em todas as baterias, ela teve o melhor tempo na marca dos 15 metros em relação às adversárias.

Daynara de Paula e Kendyl Stewart (foto: Satiro Sodré/SSPress)

50m livre masculino
O argentino campeão pan-americano dos 100m livre Federico Grabich, uma das estrelas da competição, decepcionou e foi eliminado logo na primeira série. Na segunda, foi eliminado o italiano Lorenzo Benatti. O esperado duelo entre o vice-campeão mundial Bruno Fratus e o campeão olímpico Anthony Ervin ficou para o final. Melhor para o brasileiro, com 22s36, contra 22s64. Bruno dominou todas as baterias e não deu chance para o azar. Ervin saiu da piscina dizendo, em tom de lamento, que foi sua primeira derrota em solo brasileiro em provas individuais – de fato, ele havia vencido a prova nas três edições do Raia Rápida anteriores, além de ter conquistado o ouro olímpico no Rio de Janeiro. Hoje, teve que se render à força de Bruno, que pela análise biomecânica foi o mais rápido em todos os trechos da prova.

Bruno Fratus e Anthony Ervin (foto: Satiro Sodré/SSPress)

Revezamento 4x50m medley misto
Não encontramos registro da realização dessa prova em piscina longa em competições prévias. Mas muito provavelmente o tempo obtido pelo Brasil é o mais rápido da história da prova, com 1min45s38. Como todos os brasileiros nadaram todas as séries das provas individuais, chegaram mais desgastados do que os adversários. Os americanos souberam explorar isso e endureceram. Bruno Fratus chegou a pular atrás de Anthony Ervin para fechar a prova, mas ultrapassou o americano (parcial manual e não-oficial de 21s91) para garantir a vitória. Pela pontuação, o Brasil venceria a competição mesmo que chegasse em segundo no revezamento. Mas não teria a mesma graça. A vitória emocionante por apenas 15 centésimos serviu como cereja no bolo para colocar de vez os brasileiros nas graças da torcida presente.

As quatro equipes no pódio (foto: Satiro Sodré/SSPress)

Pontuação final:
Brasil: 17
Estados Unidos: 12
Itália: 6
Argentina: 1

Por Daniel Takata

]]>
0
Entrevista: Fernando Vanzella, o técnico do Brasil no Raia Rápida http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/entrevista-fernando-vanzella-o-tecnico-do-brasil-no-raia-rapida/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/entrevista-fernando-vanzella-o-tecnico-do-brasil-no-raia-rapida/#respond Sat, 14 Oct 2017 22:30:33 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7024 Fernando Vanzella, treinador do SESI-SP e da seleção brasileira feminina, além de ter três Olimpíadas no currículo, está no Rio de Janeiro acompanhando a equipe brasileira que amanhã irá disputar o Desafio Raia Rápida.

Vanzella tem duas atletas na equipe, Daynara de Paula (borboleta) e Etiene Medeiros (costas), além dos reservas Raphael Rodrigues (peito) e Clarissa Rodrigues (borboleta). Ele falou com a Swim Channel sobre a expectativa para o evento e garante: o Brasil é favorito ao tetracampeonato.

Fernando Vanzella (foto: Satiro Sodré/SSPress)

É sua primeira vez no Raia Rápida. É um evento diferente, em que atletas de diferentes países passam alguns dias juntos, sem a pressão de uma grande competição. Como está sentindo o clima do evento?

Fiquei muito contente de estar aqui. Já conhecia pela televisão e o sistema da competição me agrada bastante. É bem atrativo para o público e para a mídia. Lá fora tem algumas coisas parecidas, por exemplo na série de GP dos Estados Unidos no ano que vem haverá algumas provas diferentes, algo do tipo. Aqui, os atletas, apesar do clima descontraído, querem ganhar. Nos últimos dias até senti que meus atletas já estão passando a ficar mais focados, mentalizando a disputa mesmo. Mas realmente tem esse clima descontraído. Tanto que acabei de ver uma foto dos atletas na praia. Isso nunca vai acontecer na véspera de uma competição internacional. A presença de atletas de outros países é importante, a fórmula da competição, transmissão por televisão, tem vários atrativos, então estou bem contente de estar participando.

Como avalia uma competição como o Raia Rápida no calendário nacional? Acredita que é possível fazer algo do tipo virar uma competição oficial? Falta algo assim no Brasil?

Acho que faltam competições assim não só no Brasil, mas na América do Sul. O sistema de competições do Brasil há muito tempo é o mesmo, Maria Lenk, Finkel, Open, etc. O esporte evolui, a mídia, a forma de comunicação, tudo evolui, e a natação tem que acompanhar isso. Existe uma possibilidade de ao menos um campeonato desses oficiais ter um formato diferente. Não necessariamente como o Raia Rápida, mas algo diferente. Pode ser na época do Open, em um mês de dezembro, em que não há grandes competições lá fora. Pode até atrair gente de fora para nadar aqui. Ajudaria bastante a divulgação e popularização da natação.

Acha que em competições desse tipo as premiações em dinheiro são essenciais para garantir o sucesso?

O dinheiro ajuda bastante. A natação tem seu lado comercial e profossional. É uma motivação externa, não interna, que é a que vai gerar o resultado. Mas a externa, como a premiação em dinheiro, contribui muito. Acho que é preciso ter mais competições assim. Os GPs nos EUA, os meetings na Europa, Copas do Mundo, todas têm premiação em dinheiro. Estimula para que os atletas tenham uma longevidade. Hoje você tem atletas por mais tempo do que anos atrás. Um exemplo é o Anthony Ervin, que está aqui no Raia Rápida e foi campeão olímpico aos 35 anos. E isso se deve à profissionalização. Quem ganha é o esporte. Claro que a prioridade deve ser o valor do esporte, a conquista, a disputa. Mas premiações em dinheiro sem dúvida são importantes.

Falando nisso, como é tratado o assunto da divisão da premiação em dinheiro entre atleta e treinador? Oficialmente o dinheiro vai todo para o atleta, mas existe uma prática para essa divisão?

Não existe uma regra fixa. Tem atletas que sentam com os treinadores e combinam isso, por exemplo o repasse de um percentual do prêmio, por exemplo 10, 15, 20%. A realização é do atleta, mas é resultado de todo um trabalho de uma equipe, muitas vezes não só do treinador. Existem atletas que têm essa consciência e entendem que um percentual da premiação deva ser dividido com a equipe técnica, e outros entendem que não precisam dividir. Eu respeito todas as decisões. Tudo que é bem combinado não gera problema. Quando as premiações passam a acontecer com alguma frequência, essa conversa é natural entre o atleta e o treinador. Uma vez alinhado, as coisas fluem bem. O que não pode acontecer, e que já ocorreu comigo no início, é combinar algo e isso não ser cumprido, o que gera um desconforto na relação.

O Raia Rápida esse ano tem esse formato misto, com homens e mulheres. Como avalia essa mudança em relação às edições anteriores?

Achei muito bacana colocar as meninas. Foi uma conquista da natação brasileira feminina pelo resultado que elas vêm obtendo. Talvez há alguns anos seria mais difícil colocar nadadoras do país competitivas em uma competição como essa. Hoje temos resultados que credenciam o Brasil a ganhar a competição. Temos a Etiene, campeã mundial dos 50m costas, e a Daynara, que já foi finalista de Mundial nos 50m borboleta. É fruto de um trabalho de longo prazo. Começou lá atrás em 2012 com a ideia de fazer algo pela natação feminina. E a natação funciona muito assim. Vamos ver o resultado daqui alguns anos, não é tão imediato.

Etiene Medeiros e Fernando Vanzella (foto: Satiro Sodré/SSPress)

Falando da Daynara e da Etiene, como elas chegam para essa competição, depois de um ano bastante intenso?

No início do ano elas tiveram umas boas férias para compensar os últimos anos muito cansativos. Elas não são nadadoras tão novas, então a ideia era descansar para suportar mais um ciclo olímpico. Depois fizemos uma programação que terminou no Finkel, em agosto, logo após o Mundial, e a Daynara ainda foi para a Universíade em Taiwan. Depois disso elas tiraram apenas alguns dias de descanso e voltaram aos treinamentos. Fizemos treinos de muito volume e intensidade e elas estavam bem cansadas até a semana passada. Depois disso mudamos a etapa da preparação e agora estão tendo estímulos de competição. Semana passada fizemos uma simulação de competição no Maria Lenk, agora tem o Raia Rápida, depois um regional em São Paulo, duas etapas da Copa do Mundo, o Open e o Mundial Militar. Então vai começar a fase de competições. E no Raia Rápida vai ser interessante porque tem essa fórmula de uma prova atrás da outra e vamos conseguir avaliar bem a condição delas. Como elas já estão tendo estímulos de competição, pode ser que consigam tempos bem interessantes.

Para terminar: o Brasil é o grande favorito?

Ah com certeza. As outras equipes têm grandes nadadores, o Ervin é campeão olímpico, o italino Fabio Scozzoli foi vice-campeão mundial. Mas nossa equipe é muito forte. A Etiene campeã mundial, Bruno [Fratus] e João [Gomes Júnior] medalhistas no Mundial, a Daynara está muito motivada… Não vou arriscar em quatro vitórias individuais, mas acredito em pelo menos duas ou três, além é claro do revezamento!

Por Daniel Takata

]]>
0
Os recordes do Raia Rápida http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/os-recordes-do-raia-rapida/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/os-recordes-do-raia-rapida/#respond Sat, 14 Oct 2017 14:49:04 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7021 O Desafio Raia Rápida chegará amanhã à sua sexta edição. Desde 2012, passaram pelo evento países com muita tradição na natação de velocidade, como África do Sul, França, Austrália, Estados Unidos, Itália e, claro, Brasil. Com provas de 50m estilos e 4x50m medley disputadas por alguns dos nadadores mais rápidos do mundo como Bruno Fratus, Florent Manaudou, Christian Sprenger, James Magnussen, Luca Dotto, Nicholas Santos, Fred Bousquet e outros, não é surpresa que tenhamos observado resultados muito interessantes.

Antes disputado somente por homens, este ano teremos também a participação de mulheres, incluindo um revezamento 4x50m medley misto. As provas individuais de costas e borboleta serão femininas, e as de peito e livre, masculinas.

Nicholas Santos, Guilherme Guido, Felipe França e Matheus Santana: melhor tempo da história do revezamento 4x50m medley mascilino (foto: Satiro Sodré/SSPress)

A seguir, a lista dos recordes do Raia Rápida em todas as provas que já foram disputadas. Obviamente, este ano só poderão ser superados os recordes das provas de 50m peito e 50m livre masculinas. Curiosidade: o tempo que a equipe brasileira obteve em 2014 no revezamento 4x50m medley masculino é o mais rápido da história da prova no mundo. O tempo não é reconhecido como recorde mundial, pois a prova não é considerada oficial em piscina de 50 metros.

Este ano, o desafio é um nadador de peito completar a distância pela primeira vez abaixo dos 27s na história da competição, o que está ao alcance do recordista João Gomes Júnior. Nos 50m livre, o feito será alguém quebrar a invencibilidade do campeão olímpico Anthony Ervin, atual tricampeão e que pode se tornar o primeiro tetracampeão individual do Raia Rápida. Ele é também o único a nadar a prova abaixo dos 22s no evento. A concorrência será pesada para ele, com desafiantes como o medalhista de prata no último mundial Bruno Fratus e o campeão pan-americano dos 100m livre Federico Grabich.

Recordes do Raia Rápida

50m costas masculino: Gerhard Zandberg (África do Sul), 25s00 – 2014

50m peito masculino: João Gomes Júnior (Brasil), 27s09 – 2016

50m borboleta masculino: Nicholas Santos (Brasil), 22s97 – 2014

50m livre masculino: Anthony Ervin (Estados Unidos), 21s92 – 2014

4x50m medley masculino: Brasil (Guilherme Guido, Felipe França, Nicholas Santos, Matheus Santana), 1min37s68 – 2014

Por Daniel Takata

]]>
0
Raia Rápida 2017: as imagens pré-competição http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/raia-rapida-2017-as-imagens-pre-competicao/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/raia-rapida-2017-as-imagens-pre-competicao/#respond Sat, 14 Oct 2017 14:25:09 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7008 O Desafio Raia Rápida 2017 acontece amanhã, domingo (15/10), a partir das 10h no Parque Aquático Maria Lenk, com transmissão ao vivo do Esporte Espetacular da Rede Globo. No entanto, o evento já começou e os atletas têm aparecido na piscina do Maria Lenk, em treinos, entrevistas e ações sociais.

Confira a seguir algumas imagens captadas pelas lentes de Satiro Sodré ontem e hoje.

Desafio Raia Rapida no Parque Aguatico Maria Lenk. 13 de outubro 2017. Rio de Janeiro. RJ. Brasil. Foto: Satiro Sodre/ SSPress

 

Etiene Medeiros em clínica de natação com crianças no Maria Lenk (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Atletas em apresentação oficial (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Equipe brasileira: Etiene Medeiros, Bruno Fratus, Daynara de Paula e João Gomes Júnior (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Equipe argentina: Federico Grabich, Andrea Berrino, Facundo Miguelena e Maria Belén Diaz (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Equipe americana: Hellen Moffitt, Anthony Ervin, Kendyl Stewart e Chuck Katis (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Equipe italiana: Fabio Scozzoli, Elena Di Liddo, Elena Gemo e Lorenzo Benatti (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Bruno Fratus (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Kendyl Stewart (foto: Satiro Sodré/SSPress)

 

Anthony Ervin (foto: Satiro Sodré/SSPress)

]]>
0
Raia Rápida 2017: atletas no Rio, tudo pronto para o evento http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/raia-rapida-2017-atletas-no-rio-tudo-pronto-para-o-evento/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/raia-rapida-2017-atletas-no-rio-tudo-pronto-para-o-evento/#respond Fri, 13 Oct 2017 16:09:49 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7004 O Desafio Raia Rápida 2017 acontece no domingo, dia 15, na piscina do Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro. Mas o evento já começou para os atletas.

Todos já chegaram ao Rio de Janeiro: Andrea Berrino, Maria Belén Diaz, Facundo Miguelena e Federico Grabich, da Argentina; Elena Gemo, Elena Di Liddo, Fabio Scozzoli e Lorenzo Benatti, da Itália; Hellen Moffitt, Kendyl Stewart, Chuck Katis e Anthony Ervin, dos Estados Unidos; e, claro, Etiene Medeiros, Daynara de Paula, João Gomes Júnior e Bruno Fratus, do Brasil.

Atletas do Desafio Raia Rápida 2017 (foto: Satiro Sodré/SSPress)

Pela primeira vez, a competição envolverá homens e mulheres, incluindo um revezamento 4x50m medley misto, o que tem animado muito os participantes. Etiene Medeiros, campeã mundial dos 50m costas, disse que nos outros anos assistia pela TV morrendo de vontade de participar e sempre pressionava a organização da competição para que as mulheres também pudessem nadar.

Nesta manhã, os atletas participaram de uma clínica com crianças de projetos sociais da Baixada, Costa Verde e Região dos Lagos, compartilhando seus conhecimentos com a próxima geração de campeões. O destaque foi João Gomes, assumindo o papel de treinador e de mestre de cerimônias, mostrando habilidade e carisma com o microfone nas mãos.

Atletas e crianças no Parque Aquático Maria Lenk (foto: Satiro Sodré/SSPress)

João, aliás, assumiu que encara a competição como uma “diversão séria”. O clima é descontraído, mas que quer ganhar dos adversários todas as vezes que for cair na água, sejam nas três baterias individuais, seja no revezamento. A estratégia, segundo ele, é chegar na frente todas as vezes.

João, atual vice-campeão mundial dos 50m peito, terá o desafio do italiano Fabio Scozzoli, vice-campeão mundial dos 50m e 100m peito em 2011. Scozzoli admite que será difícil bater o brasileiro, mas quer melhorar sua posição da prova individual do ano passado, em que chegou em terceiro, e quer levar o time italiano a um desempenho melhor que a quarta posição de 2016.

O desafio Raia Rápida acontecerá no domingo, a partir das 10h, com transmissão do Esporte Espetacular da Rede Globo. Quem quiser presenciar o evento, a entrada será gratuita no Parque Aquático Maria Lenk.

Por Daniel Takata

]]>
0
Poliana Okimoto imortalizada no Hall da Fama http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/12/poliana-okimoto-imortalizada-no-hall-da-fama/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/12/poliana-okimoto-imortalizada-no-hall-da-fama/#respond Fri, 13 Oct 2017 02:41:56 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=7002 Poliana Okimoto é, há mais de uma década, referência na natação de águas abertas. A brasileira, entre as melhores do mundo desde sua primeira competição internacional, o Mundial de 2006, conquistou todas as glórias possíveis nas maratonas aquáticas. Entre elas: campeã mundial, campeã do circuito da Copa do Mundo, medalhista pan-americana, melhor atleta do Brasil em 2013…

Mas sua grande conquista foi sem dúvida a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de 2016. O ponto alto de uma carreira na qual foi pioneira diversas vezes, com várias conquistas inédidas para a natação feminina do país, que culminou com a primeira medalha olímpica obtida por uma nadadora brasileira.

E, por conta de tal glória, conseguida há pouco mais de um ano, Poliana continua colhendo merecidos louros.

O último é a admissão no Hall da Fama Internacional de Águas Abertas, uma honraria que apenas aqueles que definitivamente estão na história do esporte conseguem alcançar.

Poliana Okimoto e seu bronze olímpico (foto: Satiro Sodré/SSPress)

A notícia foi divulgada ontem. O Hall da Fama de Águas Abertas é uma entidade vinculada ao Hall da Fama da Natação, criado em 1971, e homenageia indivíduos que alcançaram feitos notáveis nas águas abertas, primordialmente dentro das águas, mas também fora delas, como treinadores, árbitros, dirigentes e jornalistas.

No Hall da Fama da Natação, o Brasil já tinha uma mulher imortalizada: Maria Lenk. Além dela, Gustavo Borges também está lá. Já no de Águas Abertas, ainda não havia mulher brasileira. Os nomes do país eram Abílio Couto, Igor de Souza e o árbitro Ricardo Ratto.

Agora há Poliana. Na verdade, oficialmente ela será admitida em março do ano que vem, A cerimônia que irá homenageá-la ocorrerá no dia 31 de março do ano que vem, em Londres.

O site do Hall da Fama destaca que Poliana é a maior nadadora de águas abertas da história do país, e que elevou a modalidade no país a um nível mais alto.

O que não é nenhuma novidade para nós que acompanhamos sua carreira há anos. Agora, mais um reconhecimento internacional. E, como não poderia deixar de ser, pioneiro para o esporte brasileiro.

Por Daniel Takata

]]>
0
Dicas importantes para quem vai nadar a 14 Bis http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/10/dicas-importantes-para-quem-vai-nadar-a-14-bis/ http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/10/10/dicas-importantes-para-quem-vai-nadar-a-14-bis/#respond Tue, 10 Oct 2017 20:35:39 +0000 http://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/?p=6998 No dia 11 de novembro acontece a 50ª edição da famosa Maratona Aquática 14 Bis, uma das provas mais importantes da história da natação brasileira em águas abertas. Disputada pela primeira vez em 1970, a prova acontece todos os anos nas águas do Canal de Bertioga e tem 24 km de percurso. Com largada no Forte São João, em Bertioga e chegada na rampa de acesso da Base Aérea de Santos (BAST), a maratona é um grande diferencial no currículo dos nadadores de águas abertas. Até porque, quem não gostaria de completar essa prova algum dia?

Porém, para nadar a 14 Bis é necessário estar preparado para encarar uma prova tão desgastante. No site oficial do evento há algumas dicas para quem for nadar. Selecionamos aqui alguns pontos importantes que podem ser úteis para quem já se inscreveu e também para quem ainda não fez a sua inscrição, mas pensa em nadar.

Muitos interessados em nadar a prova perguntam que tipo de treinamento precisam fazer para disputar a 14 Bis. Claro que isso é algo que o técnico do atleta vai definir, já que ele conhece muito bem seu pupilo, porém, é indicado para quem vai no intuito de completar a distância fazer treinos aeróbico buscando melhorar a resistência física. Já para quem com a intenção de fazer um bom resultado e lutar para chegar entre os primeiro colocados é preciso trabalhar além do aeróbico, a força muscular para aguentar os extensos 24 km de distância.

A edição 50 da 14 Bis acontece em novembro – Foto: Jacqueline Dalia

A alimentação é outro ponto importante para quem pensa em encarar o desafio. Semanas antes da prova o atleta deve fazer uma dieta bem equilibrada e balanceada, comendo principalmente carboidratos e proteínas. Já ao longo da travessia o nadador precisará se hidratar e além de água, consumir carboidrato líquido (como a maltodextrina) e sachês de gel são ótimos para mantê-lo na pegada da travessia, além de alimentos sólidos como bananas. Depois da prova é recomendado evitar alimentos gordurosos e comer essencialmente alimentos ricos em carboidratos e de fácil digestão. Lembrando que o ideal é sempre ter um acompanhamento nutricional durante todo este período.

Outra pergunta normalmente feita pelos atletas é sobre os fatores externos da prova. Nas águas abertas eles muitas vezes podem ser um obstáculo a mais para os nadadores e na Maratona Aquática 14 Bis desafios como superar uma correnteza contrária, uma temperatura da água oscilante ao longo do percurso e a presença de águas vivas pelo meio do caminho poderão ser alguns contratempos. Nessas horas o nadador precisa manter a calma e sua concentração para não prejudicar seu rendimento e deve se lembrar que terá durante todos os 24 km auxílio de seu barco e da equipe de segurança da 14 Bis.

Vista aérea de uma edição antiga da prova – Foto: Jacqueline Dalia

A Maratona Aquática 14 Bis conta com muitos parceiros para ser realizada. Além da Associação 14 Bis que é a responsável pela prova, o evento tem apoio do Comando da Aeronáutica, da Marinha do Brasil, da Praticagem de Santos, do Grupamento de Bombeiros Marítimos e das Prefeituras de Bertioga e Guarujá. Faltam apenas dez dias para o término das inscrições que terminam dia 20 de outubro. Portanto não perca tempo e faça já a sua através do serviço de inscrição de prova da SWIM CHANNEL clicando aqui. Bons treinos e boa prova!

Por Guilherme Freitas

]]>
0