Swim Channel

Arquivo : 50m livre

Swim Channel TV: as 10 nadadoras mais rápidas do mundo
Comentários Comente

swimchannel

Publicamos aqui no mês passado uma lista com os dez nadadores mais rápidos do mundo na prova dos 50m livre em todos os tempos. Agora é a vez delas! Conheça aqui a mulheres mais velozes dentro d’água na prova mais emocionante da natação. A lista é bastante diversificada com atletas de sete países diferentes, incluindo a atual campeã olímpica Pernille Blume. Assista ao vídeo abaixo e confira a lista completa! E não se esqueça de curtir o vídeo e assinar o nosso canal no Youtube!

Roteiro: Patrick Winkler e Guilherme Freitas

Produção, Edição e Finalização: Thiago Tognozzi e Klaus Bernhoeft


Swim Channel TV: os 10 nadadores mais rápidos do mundo
Comentários Comente

swimchannel

Você sabe quem são os dez homens mais rápidos da história? Aqueles que voaram dentro d’água durante a prova de 50m livre? Esse é o tema do Swim Channel TV desta semana apresentando os nadadores mais velozes de todos os tempos. E na lista tem dois brasileiros, sendo um deles o atual recordista mundial da prova. Descubra que são eles e não se esqueça de curtir o vídeo e assinar o nosso canal!

Roteiro: Patrick Winkler e Guilherme Freitas

Produção, Edição e Finalização: Thiago Tognozzi e Klaus Bernhoeft


Govorov: de azarão a medalhista?
Comentários Comente

swimchannel

Os 50m livre é talvez o evento mais esperados do programa olímpico da natação. É também uma prova onde nos acostumamos a ver surpresas e novas estrelas nascerem. Em Sydney-2000 o jovem Anthony Ervin foi campeão dividindo o ouro com Gary Hall Jr, em Atenas-2004 tivemos a prata do croata Duje Draganja e em Londres-2012 a vitória de Florent Manaudou que melhorou impressionantemente seu tempo naquela competição. Este ano um jovem de 24 anos se candidata para ocupar esse posto histórico de revelações: Andrii Govorov.

Treinado pelo brasileiro Arilson Silva, esse velocista ucraniano explodiu de vez a partir deste ano. Nos 50m borboleta, uma de suas especialidades, venceu o Campeonato Europeu de Londres com 22s73, marca que o coloca como o homem mais rápido da história da prova na era pós-trajes tecnológicos. Já nos 50m livre, sua única prova no Rio-2016, ele vem tendo uma regularidade impressionante. Nesta temporada já são até o momento cinco vezes nadando abaixo dos 22 segundos na distância. Nas eliminatórias desses Jogos Olímpicos ele liderou a etapa ao nadar para 21s49, novo recorde nacional. Na semifinal, Govorov melhorou ainda mais ao baixar para 21s46 e melhorar o recorde nacional, se garantindo na decisão com o segundo melhor tempo, atrás apenas de Florent Manaudou.

O velocista ucraniano Andrii Govorov – Foto Matt Slocum/AP

O velocista ucraniano Andrii Govorov – Foto Matt Slocum/AP

Govorov treina desde o começo do ano em São Paulo com Arilson Silva. Eles haviam trabalhado juntos entre 2012 e 2013, quando o técnico brasileiro passou uma temporada na Europa. Depois dessa experiência Ari treinou Cesar Cielo por quase um ano, mas a parceria com velocista acabou antes do Mundial de Kazan ano passado. O treinador brasileiro resolveu reativar a parceria com o ucraniano e vem sendo um dos grandes responsáveis pela evolução do jovem nadador.

Em Londres-2012, ele fez sua estreia olímpica e não passou pelas semifinais nadando para 22s12. Desta vez melhorou quase 70 centésimos e parece estar pronto para evoluir ainda mais nesta sexta-feira. Se no começo do ano Govorov era apenas mais bom nadador cotado para chegar a final, desta vez ele entrará no Estádio Aquático Olímpica como um dos homens a ser batido. Um azarão que poderá se transformar em medalhista olímpico.

Govorov e o técnico Ari Silva – Foto: Reprodução

Govorov e o técnico Ari Silva – Foto: Reprodução

por Guilherme Freitas

A equipe Swim Channel na cobertura dos Jogos Rio 2016 é patrocinada pela Mormaii, a maior marca de esportes aquáticos do Brasil


Os primeiros 50m livre olímpicos
Comentários Comente

swimchannel

Daqui a exatos 50 dias os principais nadadores do mundo cairão na piscina do Estádio Olímpico Nacional para as disputas dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. 50 é também o número da prova mais curta e mais rápida da modalidade, que também é a caçula do programa olímpico. Esta prova foi adicionada ao evento apenas nos Jogos Olímpicos de Seul-1988. Mas como terá sido a edição de estreia desta prova 28 anos atrás.

Uma curiosidade é que a prova masculina estava desfalcada de seu principal favorito. Meses antes dos Jogos o sul-africano Peter Williams havia batido o recorde mundial da distância ao marcar 22s18 em uma competição disputada nos Estados Unidos onde ele treinava, estudava e morava. Na época vigorava na África do Sul o regime racista do apartheid e o país estava suspenso de competições internacionais pelo Comitê Olímpico Internacional. Devido a essa punição ao país, Williams não pode nadar em Seul.

O nadador Matt Biondi - Foto: Reprodução

O nadador Matt Biondi – Foto: Reprodução

Um adversário a menos para aquele que foi o grande nome da natação masculina: o americano Matt Biondi. O atleta chegou a Coreia do Sul para nadar sete provas e tentar igualar o recorde de vitórias do compatriota Mark Spitz. Ele até que subiu sete vezes ao pódio, porém, cinco no degrau mais alto. Um dessas medalhas douradas veio nos 50m livre. E com uma performance histórica. Biondi foi o mais veloz nas eliminatórias e repetiu a dose na final com um novo recorde mundial: 22s14, apenas quatro centésimos mais veloz do que Williams. O pódio ainda teve o americano Tom Jaeger com a prata (22s36) e o soviético Gennadiy Prigoda (22s71).

A prova feminina não teve recorde mundial, mas viu a principal favorita ser derrotada. A chinesa Yang Wenyi havia batido a marca mundial meses antes dos Jogos com 24s98, tornando-se a primeira mulher da história a nadar a distância abaixo dos 25 segundos. Uma curiosidade é que o recorde da chinesa e de Williams ocorreram no mesmo dia: 10 de abril de 1988, mas em locais separados. O dele em Indianápolis e o dela em Guangzhou.

A nadadora Kristin Otto - Foto: Reprodução

A nadadora Kristin Otto – Foto: Reprodução

Em Seul Wenyi fez o melhor tempo das eliminatórias, porém, foi surpreendida na final por Kristin Otto que venceu com 25s49. Representando a Alemanha Oriental, a atleta de 24 anos foi 15 centésimos mais veloz e levou a medalha de ouro. A alemã oriental Katrin Meissner e a americana Jill Sterkel dividiram o bronze com 25s71. Otto teve uma campanha de 100% de aproveitamento em Seul, com seis provas e seis medalhas de ouro em sua única participação olímpica. Em Los Angeles-1984 ela foi prejudicada pelo boicote dos países comunistas e ficou de fora.

Desde então diversos nomes já foram consagrados na distância como Alexander Popov, Inge de Brujin, Gary Hall Jr e o brasileiro Cesar Cielo. A prova que muitas vezes era tido como a menos importante ganhou espaço e visibilidade. Hoje é uma das provas mais populares e foi a que teve mais procura por ingressos no Rio-2016.

Por Guilherme Freitas


GP de Austin: um bom teste para Bruno Fratus
Comentários Comente

swimchannel

Começa amanhã na cidade texana de Austin, a segunda etapa do Arena Pro Swim Series 2015/16, o circuito de Grand Prix da natação americana. Será o primeiro desafio do ano para vários nomes da natação internacional e também um bom teste para alguns atletas que neste semestre vão encarar suas seletivas nacionais visando os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O Brasil terá um representante na competição e esse cara tem boas chances de subir no pódio. Trata-se de Bruno Fratus, radicado há alguns anos em Auburn e que terá um teste interessante neste início de temporada.

O brasileiro terminou 2015 em alta. Segundo colocado no ranking mundial dos 50m livre com 21s37, vice-campeão pan-americano em Toronto e medalha de bronze no Mundial de Kazan, Fratus também mostrou muita regularidade na prova mais rápida da natação. Foram 11 vezes nadando a prova na casa dos 21 segundos, sendo três vezes abaixo dos 21s60. Em Austin Fratus vai nadar os 50m e 100m livre. Também terá pela frente alguns dos concorrentes ao pódio olímpico.

Fratus durante os 50m livre - Foto: Satiro Sodré

Bruno Fratus em ação – Foto: Satiro Sodré

O principal adversário será Nathan Adrian, que também cravou 21s37 em 2015 e dividiu o número 2 do ranking mundial com o brasileiro. Adrian, assim como Fratus, também mantém uma constância na prova. Em 2015 foi muito competitivo ao longo do ano e conseguiu nadar sete vezes na casa dos 21 segundos. Em busca de recuperação após uma temporada ruim, os veteranos da natação americana Anthony Ervin e Cullen Jones também nadarão os 50m livre. A dupla encara o GP de Austin como uma forma de recuperação e motivação para o Olympic Trials onde tentaram vaga para mais uma Olimpíada.

Além dos americanos Fratus terá outros adversários internacionais. O sempre perigoso Vladmir Morozov será um deles. Em Kazan, Morozov terminou os 50m livre em quarto lugar apenas um centésimo atrás de Fratus. O russo, conhecido pela intensidade e explosão, também teve um bom retrospecto em 2015 concluindo a prova oito vezes abaixo dos 21 segundos. Destaque também para uma das grandes revelações da temporada passada, o canadense Santo Condorelli, balizado com o sétimo tempo. E fique de olho também em Michael Chadwick, Matt Grevers, Jimmy Feigen, Brad Tandy e o jovem Michael Andrew.

Nathan Adrian vem evoluindo nesta temporada - Foto: Michael Sohn/AP

O americano Nathan Adrian – Foto: Albert Gea/Reuters

Será bastante interessante acompanhar a disputa dos 50m livre neste Grand Prix. Sem a presença de Florent Manaudou, o homem a ser batido na distância, o equilíbrio entre os velocistas promete ser um dos pontos altos em Austin.

Por Guilherme Freitas


50m livre no Rio-2016: uma disputa intensa…nos Estados Unidos
Comentários Comente

swimchannel

Mês passado foi disputado em Florianópolis o Torneio Open, que também foi a primeira seletiva olímpica da natação brasileira para os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Nenhuma prova registrou mais índices do que os 50m livre masculino. Ao todo, cinco atletas nadaram abaixo de 22s27, o tempo exigido: Bruno Fratus, Ítalo Duarte, Marcelo Chierighini, Matheus Santana e Henrique Martins. Do quinteto apenas Fratus (que fez 21s37 na abertura do 4x50m livre) nadou abaixo dos 22 segundos. Cesar Cielo também nadou a prova na casa dos 21 segundos em 2015, mas como não nadou no Open jogará suas fichas na prova final no Troféu Maria Lenk. Mas não é só no Brasil que a disputa por vagas na prova mais rápida esta bastante acirrada. Uma batalha intensa também acontece nos Estados Unidos.

O país acumula quatro títulos olímpicos nesta prova, mas que não a vence desde Atenas-2004. O site americano Swim Swam fez um grande levantamento de possíveis candidatos para nadar as provas masculinas no Rio de Janeiro. Se em algumas, como nos 200m medley (com Michael Phelps e Ryan Lochte) e 100m borboleta (com Phelps e Tom Shields) apostar em dois nomes é barbada, em outras há disputas equilibradas. E uma delas é os 50m livre.

Anthony Ervin e Nathan Adrian - Foto: Getty Images

Anthony Ervin e Nathan Adrian – Foto: Getty Images

Se hoje Bruno Fratus vem se consolidando como o principal nadador do país nos 50m livre, podemos dizer o mesmo de Nathan Adrian nos Estados Unidos. No Campeonato Mundial de Kazan, Adrian foi vice-campeão com um tempo muito forte na semifinal: 21s37, marca igualada por Fratus em dezembro e recorde nacional americano. Na final o velocista também marcou um tempo expressivo: 21s52. É o “cara” na distância.

Se Adrian é o favorito absoluto para obter uma vaga nesta prova no Rio-2016, a disputa pelo segundo posto esta totalmente em aberto. Ano passado os Estados Unidos tiveram outros quatro nadadores abaixo dos 22 segundos: Caeleb Dressel (21s53), Josh Schneider (21s80) Cullen Jones (21s87) e Anthony Ervin (21s98). E todos eles estão credenciados e com chances de conseguir um lugar no Team USA.

O jovem velocista Caeleb Dressel - Foto: Soobum Im/USA TODAY Sports

O jovem velocista Caeleb Dressel – Foto: Soobum Im/USA TODAY Sports

Ervin e Jones são os veteranos que procuram se recuperar de uma temporada apagada. Em 2015 Ervin não conseguiu chegar a final no Mundial de Kazan e Jones não passou de um 5º lugar nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Por outro lado, seus outros dois adversários estão na curva ascendente. Schneider foi campeão pan-americano e na etapa de Moscou da Copa do Mundo fez o melhor tempo da vida. Já o jovem Dressel foi a grande surpresa da temporada ao nadar para 21s53 no Campeonato Americano, tempo que lhe daria a medalha de bronze em Kazan elhe credencia como favorito para obter esta segunda vaga na seletiva americana.

Além deles o Swim Swam ainda cita outras duas jovens promessas da americanas como candidatos vaga: Michael Chadwick, de 20 anos, que tem 22s03 e o superstar Michael Andrew, de 16 anos, com 22s34 que tentarão obter vaga para suas primeiras Olimpíadas. Como podemos ver a disputa por uma vaga na prova mais rápida esta intensa e promete ser eletrizante em Omaha, quando a natação americana faz sua seletiva para o Rio-2016 entre o fim de junho e início de julho. Ainda é cedo para cravar nomes, mas fica a pergunta a você leitor: aposta em quem?

Guilherme Freitas


Cesar Cielo busca dar a volta por cima
Comentários Comente

swimchannel

O ano de 2015 dentro das piscinas não deixará saudades a Cesar Cielo. Se fora das raias o nadador e sua esposa Kelly Gisch estão felizes aguardando o nascimento de Thomas, o primeiro filho do casal, a vida do atleta dentro d’água não lhe deu motivos para comemorar. Uma lesão no ombro atrapalhou os planos do velocista durante o Campeonato Mundial de Kazan, onde não conseguiu defender seus títulos nos 50m livre e nos 50m borboleta. Além disso, também o tirou do Troféu José Finkel, disputado dias depois do Mundial. Um fato similar ao que aconteceu em 2012, quando ele teve que operar os dois joelhos e viu parte de sua temporada comprometida. Ontem, em um evento de um patrocinador ele conversou com a imprensa e revelou alguns detalhes do ano que esta tendo.

A lesão e os resultados que não vieram em Kazan deixou muita gente se perguntando como o nadador fará para se recuperar mais uma vez. Mas o que Cielo pensa sobre isso? Esta ele disposto a mudar sua preparação a 11 meses dos próximos Jogos? “Alguns detalhes precisam ser melhoradas. Não é porque estamos a um ano do Rio-2016 que tem de ter medo de fazer mudança. São para melhorar, para evoluir. Nunca tive medo, de mudar de técnico, de mudar de lugar. Não tenho receio de fazer uma mudança brusca na minha carreira, o importante é o resultado no ano que vem”, disse o velocista que afirmou que continuará trabalhando com Arilson Silva e sua equipe multidisciplinar até o Rio-2016.

Cesar Cielo espera poder celebrar em 2016 - Foto: Satiro Sodre/SS Press

Cesar Cielo espera poder celebrar em 2016 – Foto: Satiro Sodre/SS Press

Cielo é uma das maiores apostas do Brasil nos Jogos Olímpicos e sabe da pressão que enfrentará na piscina do novo Centro Aquático. Até por isso, ele já tem uma reunião agendada com a CBDA onde vai discutir seu planejamento olímpico. Por enquanto o velocista só pensa em seguir com o tratamento da lesão no ombro e estar em melhores condições para encarar o Torneio Open, evento que será disputado em dezembro, em Florianópolis, e será a primeira das duas seletivas olímpicas.

O nadador sabe que obter a vaga olímpica será duro devido a evolução dos velocistas do país. Nos 50m livre Bruno Fratus foi ao pódio no Pan e no Mundial e a luta por uma vaga no revezamento promete ser acirrada com muitos atletas na casa dos 48 segundos. Além dos 50m livre, Cielo está focado em conseguir um lugar neste concorrido 4x100m livre que chegará muito bem cotado aos Jogos. “Meu foco é os 50m livre e o 4x100m. O revezamento é tão importante quanto os 50m e vou me colocar bem para nadar esta prova”, afirmou.

Cesar Cielo, em busca de recuperação - Foto: Satiro Sodre/SSPress

Cesar Cielo, em busca de recuperação – Foto: Satiro Sodre/SSPress

O tratamento da lesão e o nascimento do filho serão as grandes motivações para que Cielo continue trabalhando duro em busca de dar a volta por cima mais uma vez. Algo que não parece ser difícil, afinal é sempre bom lembrar dos anos de 2011 e 2013 quando ele superou o caso de doping e a cirurgia nos joelhos para novamente voltar a brilhar. Em 2016 o roteiro pode ser novamente igual.

Por Guilherme Freitas


Bruno Fratus: cada vez mais constante nos 50m livre
Comentários Comente

swimchannel

Após uma overdose de natação nos últimos meses com a disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, do Campeonato Mundial de Kazan e das duas primeiras etapas da Copa do Mundo da Finaem Moscou e Paris, as atividades dentro d’água não param. Começou na última segunda-feira o Troféu José Finkel, campeonato nacional absoluto e que vem sendo realizado na novíssima piscina do Esporte Clube Pinheiros em São Paulo.

Mesmo sem a presença da sueca Sarah Sjostrom (que nadaria o evento pelo clube da casa) e de Cesar Cielo (que se recupera de uma lesão no ombro) a competição conta com boa parte da elite da natação brasileira neste período pós-grandes competições. Curiosamente, o Finkel-2015 acontece apenas uma semana depois do Mundial de Kazan e não será seletiva para os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Uma competição que poderia ser taxada de desmotivante, mas que vem registrando resultados interessantes.

Bruno Fratus posa com a medalha de ouro - Foto: Vitor Silva / SSPress.

Bruno Fratus posa com a medalha de ouro – Foto: Vitor Silva / SSPress.

Um desses resultados aconteceu nos 50m livre masculino. Medalhista de bronze em Kazan, Bruno Fratus era o favorito disparado para a vitória. Após subir ao pódio no Pan e no Mundial, o velocista mostrou que não sentiu tanto assim o impacto de nadar duas competições internacionais. Tanto nas eliminatórias, quanto na final, Fratus completou a prova abaixo dos 22 segundos, sendo o único entre todos os participantes a conseguir isso. Nas eliminatórias ele cravou 21s99 e na final abaixou para 21s89.

Antes considerado mais um nome para disputar medalhas e vagas em finais de grandes competições, Fratus é hoje uma realidade. Prova disso é sua regularidade em completar os 50m livre na casa dos 21 segundos. Só neste ano foram oito vezes abaixo dos 22 segundos. Um detalhe é que em duas oportunidades ele conseguiu repetir a façanha no mesmo dia: no Troféu Maria Lenk e agora no Finkel, mostrando que tem fôlego para nadar mais rápido entre duas etapas. E na carreira já são 31 vezes abaixo dos 21 segundos. Bruno Fratus, um nome candidato cada vez mais forte para subir no pódio olímpico ano que vem.

Fratus já nadou 31 vezes abaixo dos 22 segundos - Foto: Satiro Sodre/SSPress

Fratus já nadou 31 vezes abaixo dos 22 segundos – Foto: Satiro Sodre/SSPress

Além de Fratus o Finkel-2015 vem registrando alguns bons desempenhos individuais. Podemos destacar os tempos de Andreas Mickosz nos 200m peito (2min11s65) e Henrique Martins nos 100m borboleta (52s32) que nadaram abaixo do índice olímpico nas respectivas provas e chegarão motivados para melhorar ainda mais no Open; as performances de Manuella Lyrio e Nicolas Oliveira nos 200m livre e a vitória na base da raça de Gabriel Ogawa nos 400m medley, fechando a prova com excelentes 57s86. O Finkel termina no próximo sábado e até lá mais resultados positivos poderão acontecer.

Por Guilherme Freitas


50m livre, a grande prova do Golden Tour de Marselha
Comentários Comente

swimchannel

Começa hoje na piscina do Cercle des Nageurs de Marseille, a etapa de Marselha do Golden Tour de Natation, circuito internacional promovido pela Federação Francesa de Natação. A competição será disputada entre hoje e domingo e os resultados em tempo real podem ser conferidos neste site aqui: http://www.liveffn.com/cgi-bin/index.php?competition=30077&langue=gbr. As eliminatórias começam as 5h e as finais as 12h30, apenas no domingo as finais ocorrem a partir das 11h, no horário de Brasília.

O Brasil está escalado para o evento com 15 nadadores e entre várias estrelas internacionais como Katinka Hosszu, Camille Lacourt, Mireia Belmonte, Sarah Sjostrom, Jeanette Ottesen e Tom Shields, uma prova se destaca como a imperdível: os 50m livre masculino, que será disputada neste sábado. Estarão na água alguns dos melhores velocistas da atualidade.

Florent Manaudou esta bem ranqueado na piscina curta - Foto: Divulgação

Florent Manaudou é o líder do ranking mundial em 2015 – Foto: Divulgação

Os dois homens mais rápidos de 2015 estarão em ação em Marselha. Líder do ranking mundial, Florent Manaudou estará em casa e terá o apoio da torcida para tentar nadar abaixo de 21s81, melhor marca do ano. O vice-líder da temporada é Bruno Fratus que no Grand Prix de Austin nadou para 21s91. Fratus teve um excelente ano em 2014, nadando na casa dos 21s4 três vezes, e chega motivado para o duelo contra Manaudou. Outro detalhe é que em 2015 apenas eles baixaram dos 22 segundos.

Além da dupla teremos outro peso pesado da velocidade mundial, o americano Anthony Ervin que este ano tem como melhor marca 22s66, mas que desde 2012 termina a temporada entre os cinco mais rápidos do mundo. E a lista de ótimos velocistas inscritos nos 50m livre não para por ai. Teremos também os franceses Yannick Agnel, Fabien Gilot, Frederic Bousquet, os italianos Marco Orsi e Luca Dotto, o polonês Konrad Czerniak e os brasileiros Matheus Santana e Marcos Macedo.

Fratus comemora sua vitória nos 50m livre - Foto: Satiro Sodré

Bruno Fratus é o vice-líder dos 50m livre em 2015 – Foto: Satiro Sodré

O desfalque fica por conta de Cesar Cielo que optou por não nadar em Marselha para continuar treinando de olho no Mundial de Kazan. Esse fim de semana o tricampeão mundial dos 50m livre disputará um evento em Belo Horizonte com o time do Minas Tênis Clube. O embate entre ele e Manaudou ficou para uma outra oportunidade. De qualquer forma, esse cinquentinha ou petit cinquante promete!

Por Guilherme Freitas


Um possível super 50m livre em Doha
Comentários Comente

swimchannel

Restam exatos 42 dias para o início do Campeonato Mundial de piscina curta de Doha, principal evento de natação da Fina e que fechará a temporada 2014. Aos poucos, as principais seleções do mundo vão anunciando suas equipes para disputar a competição. Katinka Hosszu e Chad le Clos, atuais líderes do circuito da Copa do Mundo, são presenças confirmadas no Mundial do Catar. Também chama atenção o número de ótimos velocistas que disputarão os 50m livre masculino.

Campeão mundial e recordista de campeonato em 2010, Cesar Cielo vai atrás do bimundial na piscina curta. O nadador brasileiro tem o melhor tempo do ano (20s68) e durante o Troféu José Finkel houve até a expectativa de quebrar o recorde mundial. O velocista é talvez o grande favorito ao ouro no Mundial e por isso partiu para os Estados Unidos para focar seus treinos na curta com Scott Goodrich, técnico que o acompanhou no Mundial de Barcelona. Mas a vida de Cielo não será fácil em Doha.

No Mundial de curta de 2010, Cielo foi ouro nos 50m e 100m livre - Foto: Satiro Sodré

Cielo espera repetir o ouro no Mundial de 2010 – Foto: Satiro Sodré

O atual campeão mundial na curta, o russo Vladimir Morozov será um de seus adversários. Ele não teve um bom ano, pois nem finalista dos 50m livre no Campeonato Europeu de Berlim foi. Agora tentará compensar esta frustração subindo ao pódio no Mundial de Doha. Outro adversário será um velho conhecido: o francês Florent Manaudou, que em Istambul ganhou a medalha de prata. Se Cielo lidera o ranking mundial na curta, o francês é o mais veloz na longa este ano e chega motivado para tentar roubar outra medalha de Cielo em uma rivalidade que cresce a cada evento internacional.

Além do trio, existem outros grandes velocistas confirmados para o Mundial de Doha. Os Estados Unidos escalaram Cullen Jones e Josh Schneider para disputar a prova, ambos medalhistas nesta prova em Mundiais de curta. O Reino Unido terá o jovem Ben Proud e a Polônia provavelmente terá Konrad Czerniak. Outras duas figurinhas carimbadas nas etapas da Copa do Mundo de piscina curta deverão nadar os 50m livre: os veteranos Roland Schoeman e George Bovell.

Morozov e Manaudou duelam nos 50m livre - Foto: Murad Sezer/Reuters

Morozov e Manaudou são outros dois favoritos ao ouro – Foto: Murad Sezer/Reuters

Em anos pares onde não são disputados Jogos Olímpicos ou Mundiais de piscina longa, o Mundial de curta costuma ser bastante concorrido e disputado por vários atletas de ponta. Em Dubai-2010 isso aconteceu, com uma reunião dos melhores velocistas do mundo. Cielo, Fred Bousquet, Alain Bernard, Luca Dotto, Josh Schneider e Stefan Deibler estavam naquela final. E isso que nomes como Nathan Adrian, Stefan Nystrand, Nicholas Santos e Roland Schoeman pararam nas semifinais.

Boa parte da elite dos velocistas do mundo estará em ação na piscina do Aspire Sports Complex em Doha, no que deve ser uma das melhores finais da história do Mundial de curta.

Por Guilherme Freitas