Swim Channel

O esporte como ferramenta de inclusão social
Comentários Comente

swimchannel

Quando se fala em inclusão social vem a mente de muita gente o esporte. A prática esportiva é considerada como algo muito mais importante do que apenas uma atividade física ou fator de qualidade de vida. O esporte é capaz de unir diferenças entre povos e cooperar no processo de inclusão social. Prova disso são os inúmeros projetos de cunho social e esportivo desenvolvidos no Brasil. Um deles já tem mais de dez anos de história e tem na natação a sua bandeira.

O Projeto Nadando na Frente, promovido pelo Instituto de Esportes, busca desenvolver ações de incentivo a prática esportiva através de programas gratuitos para as famílias e crianças de baixa renda no interior de São Paulo sendo realizado em Ribeirão Preto, Pirassununga e Orlândia. As crianças recebem material para treinar e precisam estar matriculadas em escolas da rede pública municipal ou estadual. Hoje o projeto atende a aproximadamente 500 crianças tendo como missão ajudar na melhora de qualidade de vida, além de acompanhar o desenvolvimento de cada criança, aproximar pais e filhos e difundir a paixão pelo esporte aos jovens atletas. Porém, tem planos para se expandir.

Medalhas e prêmios para os participantes do festival – Foto: Reprodução

“As expectativas são de replicar o projeto em outros locais para aumentar o atendimento com crianças carentes. Modelamos o programa e quem quiser implementar o atendimento em outras cidades oferecemos todo o suporte técnico gratuitamente. Aí esta pessoa se torna um gestor local e ainda recebe por isso para gerenciar, enviar relatórios e outras ações”, conta Edmilson Dezordo, professor de Educação Física e grande idealizador do projeto.

Anualmente o projeto realiza um festival de natação com as crianças beneficiárias da iniciativa onde o maior objetivo não é conquistar títulos ou bater recordes e sim promover uma maior inclusão social através do esporte. Porém, essa iniciativa já revelou bons atletas como Ana Laura Luperini e Leonardo Baldasso, que representam a Unaerp (com quem o projeto tem parceria) e foram medalhistas em campeonatos nacionais e estaduais; além de Pedro Motta que também já foi campeão nacional e hoje defende o Pinheiros.

A iniciativa atinge 500 crianças – Foto: Reprodução

O Nadando na Frente conta ainda com o apoio de Fernando Scherer, dono de duas medalhas olímpicas, e um dos maiores ídolos da natação brasileira. Xuxa ainda dá nome do ao Troféu Nadando na Frente e já conversou com as crianças da iniciativa em diversas ocasiões. Além de contar com apoiadores e recursos da Lei de Incentivo ao Esporte, o Instituto também oferece parceira para empresas que querem apoiar o projeto e as crianças. Para mais informações sobre o projeto e o festival, acesse o site do Instituto de Esportes clicando aqui.

Por Guilherme Freitas


Poliana Okimoto disputa o Prêmio Brasil Olímpico 2016
Comentários Comente

swimchannel

O Comitê Olímpico do Brasil divulgou a relação dos atletas que disputarão o Prêmio Brasil Olímpico 2016. Como sempre acontece são escolhidos primeiro os melhores esportistas de cada modalidade olímpica e depois os três melhores no geral disputam o prêmio máximo. Desta vez só medalhistas olímpicos estão entre os indicados. E no feminino teremos a presença de uma representante dos esportes aquáticos: Poliana Okimoto, medalha de bronze na maratona aquática de 10 km e primeira nadadora brasileira a subir ao pódio olímpico.

Poliana já conquistou este prêmio uma vez. Foi em 2013 após o grande ano da sua carreira quando ela ganhou três medalhas no Campeonato Mundial de Barcelona-2013. Na ocasião ela disputou o prêmio contra Rafaela Silva e Yane Marques e era a grande favorita ao prêmio. Desta vez as chances de Poliana são menores porque ela concorre contra campeãs olímpicas no Rio-2016: novamente contra Rafaela que foi ouro na categoria até 57kg e a dupla da vela Martine Grael e Kahena Kunze, campeãs na prova 49erFX. No masculino os indicados foram Thiago Braz, campeão olímpico no salto com vara, Serginho, líbero da seleção campeã de vôlei, e Isaquias Queiroz, que ganhou três medalhas na canoagem.

Poliana ganhou o prêmio em 2013 – Foto: Satiro Sodré/SSPress

Na natação o prêmio ficou com Etiene Medeiros. A nadadora pernambucana teve um ano intenso com resultados históricos. Nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 atingiu a final nos 50m livre superando o recorde sul-americano na prova com 24s45 na semifinal e ainda foi semifinalista nos 100m livre. No fim da temporada brilhou no Campeonato Mundial de piscina curta em Windsor ao conquistar o bicampeonato mundial nos 50m costas e ganhar uma prata com o revezamento 4x50m medley misto.

Os demais esportes aquáticos também tiveram seus premiados. No polo aquático Felipe Perrone, líder do time no Rio-2016, foi o vencedor; nos saltos ornamentais o prêmio ficou com Hugo Parisi, finalista no Rio-2016 na plataforma sincronizada de 10 metros, e no nado sincronizado as vencedoras foram Luisa Borges e Maria Eduarda Miccuci, que terminaram a prova olímpica do dueto em 13º lugar. Em breve o COB vai lançar a eleição popular na internet para escolha dos melhores atletas e do prêmio atleta da torcida, que vai premiar o atleta mais popular do Brasil em 2016.

Por Guilherme Freitas


Um desafio inesquecível nas águas do Rio Negro!
Comentários Comente

swimchannel

Cruzando três países (Colômbia, Venezuela e Brasil) ao longo de 2,2 mil km, o Rio Negro é o mais extenso rio de águas negras do mundo e o segundo maior em quantidade de volume de água, atrás apenas do gigante Amazonas. Ele também é protagonista em um dos mais belos espetáculos da natureza: o encontro das águas, que é quando as águas escuras do Rio Negro se esbarram com as águas barrentas do Rio Solimões. Por aproximadamente 6 km as águas dos dois rios correm lado a lado sem se misturar. Uma das atrações mais famosas da região amazônica e que vale o passeio.

Uma outra atração que também vale o passeio é nadar o Rio Negro Challenge 2017. Organizado pela Aquática Amazonas e disputado na Praia da Ponta Negra de Manaus, o evento será composto por duas competições distintas: a Maratona Aquática e o Circuito Curumim. A Maratona Aquática contemplará duas travessias de 1,5 km e de 3 km e o Curumim é destinado aos atletas de 8 a 13 anos com uma prova mais curta de 500m. E algumas características fazem dessa prova ser algo especial.

A travessia acontece no dia 30 de abril – Foto: Organizador do evento

A começar pelo grau de acidez elevado da água (cerca de -PH 3,8 a 4,9). No Rio Negro a densidade é baixa, o que dificulta bastante a flutuação do nadador dentro d’água e lhe dá a sensação de estar afundando. Ou seja, o atleta que encarar essa travessia precisa estar preparado para enfrentar este tipo de desafio e poupar energia ao longo do percurso para não cansar demais no início da prova. Um evento que ajuda a fortalecer a parte mental do nadador em busca da melhor estratégia.

Outra característica interessante da prova é a temperatura da água. No Rio Negro ela gira por volta dos 28°C, uma temperatura bem acima da média das principais provas em águas abertas que os atletas estão acostumados a nadar, principalmente quando comparada a água do mar. Encarar estas condições é outro teste para o nadador que procura por novos desafios e que faz com que o Rio Negro Challenge seja um evento bastante atrativo.

Mapa do percurso das provas de 1,5 km e 3 km – Foto: Organizador do evento

Uma curiosidade sobre o local do evento é que o ciclo da seca e da cheia do Rio Negro varia ao longo do ano. Entre dezembro e junho a região amazônica entra no clico de cheia devido à estação de chuvas. Com isso a faixa de areia fica mais curta e o rio mais alto, cerca de 30 metros acima do nível do mar. No ciclo de seca, com poucas chuvas entre julho e novembro, a faixa de areia aumenta e o nível do rio cai cerca de 15 metros acima do nível do mar.

O Rio Negro Challenge 2017 é um dos principais eventos dos esportes aquáticos da região Norte e uma prova que traz uma experiência única, afinal, é onde o atleta poderá testar seus limites em um local totalmente diferente daquele que ele está acostumado a encarar ao longo do ano. E como tudo não se resume ao esporte, ele também poderá curtir a bela região tropical da Amazônia nos momentos de descanso.

O encontro das águas entre o Negro e o Solimões – Foto: Reprodução

As inscrições para a Maratona Aquática e o Circuito Curumim já estão abertas e podem ser feitas através do novo serviço da SWIM CHANNEL: o inscrição de provas. Clique aqui, escolha sua prova e boa competição nas águas do Rio Negro!

Por Guilherme Freitas


O agitado bastidor da natação internacional
Comentários 1

swimchannel

O ano de 2017 começou movimentado nos bastidores da natação internacional. Como não se via há algum tempo, foram feitos muitos anúncios de parcerias entre marcas, federações e atletas. Novos vínculos envolvendo países importantes e também o fim de contratos bastante antigos.

Sem dúvida a negociação que mais causou barulho foi a do fim da parceria entre Speedo e Austrália. Uma relação firmada desde os anos 1950 e que terminou com a não renovação do contrato entre as partes. A partir desta temporada a Swimming Australia passa a ser vestida pela Arena, marca que vem crescendo no mercado mundial e que patrocina diversas estrelas da natação australiana como as irmãs Bronte e Cate Campbell e o velocista James Magnussen. A marca italiana também anunciou sua renovação com a campeã olímpica Sarah Sjöström até os Jogos Olímpicos de Tóquio-202, porém, perdeu um de seus atletas de elite.

Marco Koch já testou o Adizero XVI – Foto: Adidas/Divulgação

O alemão Marco Koch deixou o time Arena e foi anunciado esta semana como novo membro da equipe da Adidas. O atual campeão mundial dos 200m peito afirmou que está empolgado para utilizar pela primeira vez em competição o traje Adizero XVI, que classificou como muito veloz. E por falar em Alemanha, a federação do país firmou contrato com a Finis que passará a confeccionar os materiais de treino e já produziu trajes de competição personalizados nas cores da bandeira do país.

Quem também se mexeu na busca por espaço na natação europeia foi a TYR que é a nova parceira da natação do Reino Unido. A marca assinou um longo contrato de oito anos de duração com os britânicos que também irá atender os demais esportes aquáticos. A mesma TYR anunciou recentemente a contratação de Ryan Lochte, que havia perdido seu contrato com a Speedo após o escândalo do falso durante os Jogos do Rio-2016. Lembrando que a empresa americana também é patrocinadora da França e da Dinamarca, com quem renovou contrato.

A Austrália agora é Arena – Foto: Robert Cianflone

Um início de ano movimentado no mercado mundial da natação e que ainda vai gerar novos contratos, afinal estamos no início da temporada e existem atletas sem contrato vigente. Caso de Katinka Hosszu que ainda não renovou seu contrato com a Arena. Com certeza teremos mais novidades nos próximos meses.

Por Guilherme Freitas


Swim Channel TV: os 10 nadadores mais rápidos do mundo
Comentários Comente

swimchannel

Você sabe quem são os dez homens mais rápidos da história? Aqueles que voaram dentro d'água durante a prova de 50m livre? Esse é o tema do Swim Channel TV desta semana apresentando os nadadores mais velozes de todos os tempos. E na lista tem dois brasileiros, sendo um deles o atual recordista mundial da prova. Descubra que são eles e não se esqueça de curtir o vídeo e assinar o nosso canal!

Roteiro: Patrick Winkler e Guilherme Freitas

Produção, Edição e Finalização: Thiago Tognozzi e Klaus Bernhoeft


Piscina da seletiva olímpica americana tem novo lar
Comentários Comente

swimchannel

Entre os dias 26 de junho e 3 de julho do ano passado milhares de nadadores americanos disputaram na cidade de Omaha o USA Olympic Trials, a seletiva olímpica do país para o Rio-2016. Foi lá que Michael Phelps garantiu vaga para sua quinta Olimpíada. O evento aconteceu no Century Link Center, um moderno complexo multiuso onde piscinas temporárias (da competição e do aquecimento) foram construídas especialmente para a ocasião. Agora sete meses depois elas serão reinstaladas em outro lugar.

A piscina começará a ser montada em março nas dependências do Santa Ynez Valley Community Aquatics Foundation, um novo complexo aquático localizado em na pequena cidade californiana e que vai atender a população local e equipes de alto-rendimento. Todo o material será transportado via caminhão percorrendo os 2740 km que separam Omaha, no Estado de Nebraska, de Santa Ynez Valley na Califórnia em uma viagem que demora cerca de dois dias.

Vista da piscina de Omaha – Foto: Reprodução

As piscinas da seletiva olímpica contam a tecnologia da Myrtha Pools, marca líder mundial no mercado de construção e montagem de piscinas. A principal delas utilizada durante a seletiva é similar a utilizada nos Jogos Olímpicos do Rio-2016. Com estrutura construída com painéis de aço inoxidável e camadas de PVC rígido, ela ainda é laminada em alta temperatura e conta com acabamentos refinados de cerâmica resistentes a água. Outro diferencial é seu sistema turnover de troca de água a cada quatro horas.

Por Guilherme Freitas


Edvaldo Valério: sempre atuando em prol da natação
Comentários Comente

swimchannel

Um dos momentos mais marcantes dos Jogos Olímpicos de Sydney-2000 foi a final do revezamento 4x100m livre masculino. Enquanto australianos e americanos disputavam braçada a braçada a vitória a equipe formada por Fernando Scherer, Gustavo Borges, Carlos Jayme e Edvaldo Valério conquistava uma inédita medalha de bronze nesta prova coroando a tradição do país que já havia disputado três finais olímpicas, mas nunca havia conseguido subir ao pódio.

Apontado por muitos como o principal personagem daquela conquista, Edvaldo Valério mostrou personalidade em sua estreia olímpica. Responsável por fechar o revezamento o Bala, como era chamado pelos amigos, ultrapassou russos e suecos para colocar o Brasil no pódio. Hoje, quase 17 anos depois ele segue envolvido com o universo da natação. Montou um projeto pessoal chamado Centro Aquático Edvaldo Valério que busca fomentar a natação em Salvador e no estado da Bahia, atuando em parceria com clubes da região. E é o próprio Edvaldo quem desenvolve e coordena a metodologia do centro e quando possível também cai na água.

O medalhista olímpico Edvaldo Valério - Foto: Reprodução

O medalhista olímpico Edvaldo Valério – Foto: Reprodução

“Atualmente estou nadando apenas para manter a forma física e não tenho em mente participar de eventos masters ou competitivos. É apenas uma atividade de lazer, um hobby”, conta o único medalhista olímpico nordestino que também vem atuando em prol da natação na Bahia e região. Este ano ele inicia uma parceria com a Swim Sales, uma empresa que busca facilitar x comércio de produtos aquáticos.

“Trata-se de uma parceria importante com a Swim Sales, que tem uma boa relação com clubes, atletas e marcas importantes, potencializando esses serviços. Também é uma ótima ferramenta para contribuir com a natação baiana de alto-rendimento e para aqueles mais amadores. É uma boa forma de manter o esporte vivo e estou bastante confiante com essa nova parceria”, comenta o medalhista olímpico que em 2015 lançou sua biografia intitulada Braçada da Esperança e ano passado voltou a Austrália para gravar um documentário sobre sua carreira chamado Baladágua.

Edvaldo se encontrou com Luiz Lima no dia do anúncio da piscina olímpica em Salvador - Foto: Reprodução

Edvaldo se encontrou com Luiz Lima no dia do anúncio da piscina olímpica em Salvador – Foto: Reprodução

Edvaldo também está confiante para o futuro da natação em Salvador, que ganhará em breve uma das piscinas utilizadas nos Jogos Olímpicos Rio-2016. Com tecnologia da Myrtha Pools, a piscina será enviada para a capital baiana, instalada e liberada para uso da população local. No momento existem os trâmites burocratas pois a Prefeitura ainda está estudando uma área de instalação.

“A piscina vai atender tanto o alto-rendimento quanto os moradores que buscam uma opção de lazer e prática de atividade física. Salvador tem uma carência muito grande de piscinas e agora esta ai vai suprir parte das necessidades da cidade, dar melhores perspectivas para o município e ser acessível à população”, conta Edvaldo que mesmo fora da área competitiva continua batalhando e trabalhando pelo bem da natação.

Por Guilherme Freitas


Correndo e nadando no sul do Brasil
Comentários Comente

swimchannel

O ano de 2017 praticamente acabou de começar e está recheado de eventos em águas abertas. São dezenas de circuitos de norte a sul do Brasil ao longo de janeiro e dezembro. Entre essas competições algumas já são tradicionais e tem seus públicos, mas com o crescimento da modalidade no país estão também ganhando novos adeptos. Um deles é o Circuito Correr e Nadar que engloba disputas de natação em águas abertas, corrida, aquathlon e stand up paddle na região sul e já está a pleno vapor.

A temporada teve início no último dia 29 de janeiro com a realização da 1ª etapa do Circuito Triple Crown Verão. Este campeonato é um minicircuito dentro do calendário principal da entidade sendo disputado anualmente durante a estação do verão nas praias de Santa Catarina. A etapa inaugural aconteceu em Piçarras com três provas de águas abertas nas distâncias de 600m, 2 km e 4 km. No próximo dia 12 de março haverá a 2ª etapa em Barra Velha e no dia 9 de abril a 3ª etapa em Itapema.

Vista aérea da Praia do Grant - Foto: Reprodução

Vista aérea da Praia do Grant – Foto: Reprodução

Em Barra Velha, local da próxima etapa do Circuito Triple Crown Verão, os atletas poderão nadar quatro provas em percursos que variam entre 600m e 7 km. A largada da prova principal acontece na Praia do Grant, um das mais bonitas do litoral catarinense e a chegada de todas as distâncias será na Praia da Barra Velha. O evento também concede pontuação especial para os melhores colocados que ao término do Triple Crown receberão bonificações paras as próximas etapas do calendário, além de premiação especial com troféu e medalhas.

Após o Circuito Triple Crown Verão o calendário Correr e Nadar chega ao Paraná com provas de águas abertas na Ilha do Mel nos dias 22 e 23 de abril. Ao todo são cinco provas divididas em dois eventos. No sábado acontece a Ultra Maratona Aquática com distâncias de 10 km e 20 km e no domingo as provas com mais participantes que terão 600m, 1,5 km e 4 km. Inclusive este é o fim de semana mais intenso da temporada com disputas em todas as outras modalidades, incluindo uma disputa de 20 km no stand up paddle.

De acordo com o calendário do Correr e Nadar estão programadas mais sete provas de águas abertas até o fim do ano. Para mais informações e detalhes dos eventos já confirmados clique aqui.

Por Guilherme Freitas


Vem ai mais um evento para nadadores: o KOPA – The King of Paddle
Comentários Comente

swimchannel

Nos últimos anos vem crescendo o número de participantes e eventos de esportes aquáticos no Brasil. Com mais de 7 mil km de costa banhada pelo Oceano Atlântico as praias brasileiras são locais cobiçados para a realização dos mais diversos campeonatos aquáticos. Torneios de stand-up paddle e paddleboard, por exemplo, costumam agitar o litoral e aos poucos vem abrindo espaço para a natação em águas abertas. Nadar é o primeiro passo para quem quer se aventurar nestas modalidades e por isso as travessias aquáticas ganham mais visibilidades nestas competições. Um deles é o KOPA: The King of Paddle.

Disputado pela primeira vez em outubro do ano passado na Praia de Tabatinga, em Caraguatatuba o KOPA tem em sua origem os esportes a remo, principalmente a Canoa Caiçara. Esta modalidade utiliza canoas produzidas artesanalmente por mestres caiçaras e é esculpida em troncos de árvores. Além dela o evento também promove disputas de stand-up paddle, canoa havaiana e surfski que utilizam remo, prancha e embarcações e do paddleboard, onde o atleta fica sob uma prancha e utiliza os braços como remo. A natação, esporte aquático mãe, vem para somar e aproximar o público de nadadores ao universo dos esportes a remo.

O KOPA terá duas etapas em 2017 - Foto: Satiro Sodre/SSPress.

O KOPA terá duas etapas em 2017 – Foto: Satiro Sodre/SSPress.

Em 2017 o KOPA terá duas etapas. A primeira acontece entre os dias 29 e 30 de abril na Praia de Toque Toque em São Sebastião e a segunda será nos dias 11 e 12 de novembro na Praia de Tabatinga, em Caraguatatuba. Na etapa de São Sebastião, que já está com inscrições abertas, teremos duas distâncias em águas abertas que acontecerão no domingo: 3 km contornando a Ilha da Tartaruga e 1 km contornando o Parcel de Santiago. Como citado acima, as inscrições para a primeira etapa do circuito KOPA 2017 já estão abertas e vão até o dia 23 de abril. Mais detalhes sobre o evento também podem ser conferidos na página oficial do evento, clicando aqui.

Por Guilherme Freitas


Swim Channel TV: Recuperação pós-treino
Comentários Comente

swimchannel

Quem nunca teve que interromper um exercício por sentir os braços ou pernas pesados? Ou no dia seguinte sentir aquela dor muscular que não te deixa fazer as atividades simples do dia a dia? Veja aqui alguns procedimentos para trabalhar na recuperação pós-treino sugeridas pelo técnico Felipe Freitas. Então bons treinos e boa recuperação! Não se esqueça de curtir o vídeo e assinar o canal!

Dicas de exercícios: Felipe Freitas

Roteiro: Patrick Winkler e Guilherme Freitas

Produção, Edição e Finalização: Thiago Tognozzi e Klaus Bernhoeft